• Baja TT do Pinhal


    16 e 17 de Março de 2018

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Elisabete Jacinto com objetivos ambiciosos para o Africa Race

A piloto Elisabete Jacinto e a equipa Bio-Ritmo® continuam a trabalhar com entusiasmo para preparar a sua participação no Africa Eco Race 2019. No ano em que celebram a sua 10ª presença nesta grande maratona africana, os portugueses contam fazer uma excelente prova de modo a alcançarem o seu sexto pódio neste longo e difícil rali.

 O Africa Eco Race é a maior prova em que a equipa participa e também a mais relevante, não só pelas suas características únicas, que fazem dela uma grande aventura, como também pelo facto de esta manter a filosofia idealizada por Thierry Sabine.

 À partida para esta prova, a equipa Bio-Ritmo® integra uma vez mais a piloto Elisabete Jacinto, José Marques como navegador, e Marco Cochinho como mecânico que competem no MAN TGS. Uma equipa coesa e muito eficaz que conta com uma longa experiência de trabalho em conjunto. Por sua vez, no camião de assistência MAN KAT, para além de Jorge Gil, coordenador da equipa e do mecânico Hélder Anjos, viaja um novo elemento, o Sérgio Cardoso responsável pela condução do camião de assistência.

 Nos últimos meses a equipa portuguesa de todo-o-terreno tem levado a cabo uma série de testes e melhorias técnicas no MAN TGS de competição e no MAN KAT de assistência no sentido de prepararem ao pormenor os dois camiões. A fiabilidade de ambos os veículos é determinante para alcançar os objetivos a que se propõem: “A grande novidade para 2019 é a entrada de um novo elemento, o Sérgio Cardoso, já que temos mantido a mesma equipa ao longo destes anos. É um facto que trabalhamos bastante bem em conjunto e acreditamos seriamente que podemos fazer uma excelente corrida. Contudo, temos consciência de que existe um factor determinante que não conseguimos controlar a que chamamos sorte”, revelou a Elisabete Jacinto.

Strong crews in the MINI John Cooper Works Rally


Five MINI JCW Rally to start at the Dakar 2019 

Successful 2018 season for the MINI JCW Rally

It is now just around 40 days until the Dakar Rally gets started in Peru and the cars have already arrived in the French port of Le Havre, from where they will travel by ship to South America. In addition to the three MINI John Cooper Works Buggies and Nani Roma’s MINI John Cooper Works Rally, a further four four-wheel drive cars make up the X-raid contingent. Their top-class crews: 2018 World Cup champions Jakub ‘Kuba’ Przygonski (POL) and Tom Colsoul (BEL), Silk Way Rally winners Yazeed Al-Rajhi (KSA) and Timo Gottschalk (GER), the winners of the Inca Rally in Peru, Orlando Terranova and Ronnie Graue (both ARG), and Boris Garafulic (CHI) and Filipe Palmeiro (POR). Between them, they have racked up ten wins in 2018 in a MINI built by X-raid.

After finishing second in the 2017 FIA World Cup for Cross-Country Rallies, Przygonski and Colsoul went one better this year and claimed the prestigious title, winning four of the nine rounds in their MINI JCW Rally. The Pole is now looking forward to mounting an assault on the Dakar: “My goal for January is to do better than I did at the 2018 Dakar. I finished 15th in my first Dakar, seventh in 2017 and fifth last year. Tom and I are quick and have found a good rhythm over the course of the season. We have completed a lot of kilometres in recent months and are ready for the fight.” 

Al-Rajhi and Gottschalk have also enjoyed a very successful year: two rallies – two wins! First at the Rally Kazakhstan, then later at the Silk Way Rally in Russia. After driving a buggy in last year’s Dakar, the Saudi driver returns to the wheel of the MINI JCW Rally. Terranova and Graue can also look back on a successful season. The two Argentineans won the Desafío Inca, giving them a small advantage in terms of experience of driving the dunes in Peru.

Garafulic will contest his eighth Dakar with X-raid in 2019. He was very unfortunate at the start of last year’s rally but was able to battle his way back into 13th place. Whilst he has not driven in a rally this season, he is extremely motivated ahead of the trip to Peru.

Team manager Sven Quandt: “We have an impressive line-up in our MINI John Cooper Rally cars. Nani has already won the Dakar once with us and Kuba is very determined after his World Cup win. He has learned a lot this season and matured as a driver. He is certainly capable of causing the odd upset. And you underestimate Yazeed and Orly at your peril. They are both very quick and, if they avoid any problems, are potential top-five drivers. We have worked together with Boris for a long time. I hope he makes it into the top ten this time.”

Sebastian Bühler vence Rally Raid em Reguengos

Em 2018 piloto da Bühler Racing Team venceu em todas as disciplinas 

Sebastian Bühler, foi o grande vencedor da competição moto da jornada de encerramento do Campeonato Nacional de Rally Raid que se disputou em Reguengos de Monsaraz. Numa jornada que contou com diversos pilotos que vão participar na próxima edição do Dakar, Sebastian Bühler impôs-se diante de António Maio e Bruno Santos.

 Numa temporada marcada por um acidente que o obrigou a uma paragem por mais de dois meses, Sebastian Bühler conseguiu, mesmo assim, neste ano de 2018, somar um impressionante conjunto de vitórias: duas no Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno - as únicas em que participou – com destaque para o triunfo na 32ª edição da Baja Portalegre 500, a conquista do Troféu X-Trophy de resistência com vitórias em todas as corridas, vitórias na Categoria Open do Campeonato Nacional de Enduro, um triunfo na jornada de Pegões do Troféu Yamaha e agora, a menos de um mês do arranque para o Dakar, conquista o seu primeiro triunfo no novo Campeonato de Rally Raid vocacionado para a navegação.

 Sebastian Bühler revela a importância de ter participado nesta prova como forma de se preparar para o grande desafio que é o Rali Dakar: “A corrida correu muito bem. Conseguimos terminar sem quedas, que é o mais importante nesta fase. Participar nesta corrida é sempre um ótimo treino de navegação. Esta é uma competição em pista e, por isso, não é muito similar ao que vamos encontrar no Dakar, mas foi um excelente treino. Aqui o ritmo é sempre mais baixo que em outras provas, embora tenham existido algumas zonas iguais às que encontrámos na Baja de Reguengos, nas quais foi possível acelerar. O percurso era muito interessante. A organização está de parabéns”.

 Sobre a sua participação naquela que é a prova rainha do todo-o-terreno o jovem piloto esclarece relativamente ao seu principal objetivo: “a minha missão é terminar. Vou fazer um dia de cada vez e tentar dar o meu melhor sem arriscar demasiado para chegar ao fim e aprender o máximo possível. Nesta prova vou tentar não falhar na navegação e ter bastante cuidado na travessia das dunas. Temos o exemplo do ano passado: as várias desistências logo na primeira semana fazem-nos perceber que é perigoso. Comigo vai o meu mecânico. Alugámos um espaço numa equipa espanhola que serve só para transportar o material e o mecânico de bivouac para bivouac. Vou ter de trabalhar bastante nas notas e nas etapas-maratona, a preparar a mota.

António Maio no pódio do CNRR em Reguengos

Derradeira corrida antes da estreia no Dakar 2019 

O Tetra Campeão Nacional de Todo-o-Terreno, António Maio disputou em Reguengos de Monsaraz a sua derradeira corrida desta temporada de 2018 subindo ao pódio da última etapa do Campeonato Nacional Rally-Raid. Com o 2º lugar alcançado nesta prova alentejana, o piloto da Yamaha Fino Motor Racing, aos comandos de uma Yamaha WR 450, terminou em 3º lugar a 1ª edição deste novo campeonato essencialmente vocacionado para a navegação de competição.

 A partir de agora o foco estará totalmente centrado na edição de 2019 do Dakar que se disputa no Peru e onde António Maio fará a sua estreia na mítica maratona do todo-o-terreno: “esta era a última prova que queria fazer em Portugal esta temporada. É muito importante para mim realizar estas competições porque me dão a possibilidade de evoluir e conhecer melhor os instrumentos da navegação. Estamos a um mês do inicio do Dakar e quero estar bem preparado até porque será o meu ano de estreia. Fico feliz por ter terminado o CNTT e o CNRR sem percalços e isso permite-me estar em boas condições físicas e psicológicas para atacar o meu próximo desafio. Esta última prova do Nacional de Rally Raid foi muito bem conseguida e deixo desde já os meus parabéns ao organizador por ter realizado uma prova bonita e com percursos de excelência”, contou o piloto da Yamaha Racing.

 Frederico Fino, o Team Manager da equipa, considera que: “foi mais uma boa prova. Estou contente com o resultado, mas acima de tudo estou satisfeito por não haver lesões e por o piloto estar a 100% para o Dakar!” revelou o director da Yamaha Fino Motor Racing.

Fausto Mota fecha temporada em Reguengos

Última competição antes do Dakar do piloto do Marco de Canaveses 

Fausto Mota realizou em Reguengos de Monsaraz a sua derradeira corrida desta temporada de 2018 ao disputar, aos comandos de uma Husqvarna, aquela que foi a última etapa do Campeonato Nacional Rally-Raid como o seu grande e último treino em competição antes de enfrentar as duras e exigentes pistas do Rali Dakar que, de 6 a 17 de Janeiro, se cumpre integralmente no Peru.

 A prova organizada pela Secção de Motorismo da Sociedade Artística Reguenguense em colaboração da com a R3 – Navegação a Roadbook reuniu alguns dos melhores pilotos nacionais e internacionais, entre os quais cinco pilotos que vão participar na próxima edição do Dakar.

 Para Fausto Mota “esta foi a última prova em competição antes de partir para o Peru. De manhã estava muito nevoeiro, o que dificultou a navegação, mas não houve quedas, nem percalços, o que é muito importante. Este é um terreno conhecido de outras jornadas e eu penso que quanto mais concentrados estivermos na navegação, nas notas, nos perigos, mas difícil será magoarmo-nos. As pistas de Reguengos já são conhecidas, têm bastantes valas e se formos a navegar é mais fácil transpor alguns obstáculos, releva o piloto do Marco de Canaveses que promete continuar a sua preparação física até ao Dakar. “Vou regressar a Espanha, ao País Basco, onde resido e continuar a preparar-me, continuar a treinar até ao Dakar para estar na melhor forma possível para enfrentar este grande desafio”.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

António Maio cumpre última jornada do CNRR

Tetra Campeão Nacional TT cada vez mais focado no Dakar 2019 

O Tetra Campeão Nacional de Todo-o-Terreno, António Maio vai participar nos próximos dias 7 a 9 de dezembro na última prova do Campeonato Nacional Rally-Raid que se vai disputar em Reguengos de Monsaraz.

 O piloto da Yamaha Fino Motor Racing, aos comandos de uma Yamaha WR 450, vai até ao Alentejo para cumprir mais uma etapa deste Campeonato com o objetivo de se preparar ativamente, tanto em termos de condução como navegação, para a sua estreia no Rali Dakar que se inicia em janeiro de 2019.

 Para António Maio, a participação neste Campeonato é uma excelente forma para afinar pormenores e aspetos menos positivos para que a sua performance esteja ao mais alto nível à partida para a prova sul-americana: “Esta competição vai servir como último treino antes do Rali Dakar. Trata-se de uma prova de navegação na qual vou participar com vista a aperfeiçoar a minha técnica de navegação. Não vou correr com o intuito de ganhar o Campeonato até porque, por motivos profissionais, falhei a corrida de Fafe e, por isso, não estou na disputa pelo Campeonato. Mas é uma prova alentejana e por isso muito apreciada por mim. Esta, em particular, vai passar na Serra de Ossa, que também cruza o Concelho de Borba onde resido e, também por este motivo, não poderia deixar de marcar presença”, contou o piloto da Yamaha Racing.

 Frederico Fino, o Team Manager da equipa, considera esta competição de Reguengos de Monsaraz uma boa oportunidade para ajustar detalhes para o Dakar 2019: “as provas do CNRR são muito interessantes e bem disputadas e, acima de tudo, são uma mais-valia para o nosso piloto treinar para o grande desafio que é o Dakar que está cada vez mais próximo. Por isso é muito importante para a equipa cumprir com determinação mais esta prova e por isso vamos fazer o melhor trabalho possível para dar o apoio necessário ao nosso piloto” revelou o director da Yamaha Fino Motor Racing.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Equipa Motos VR no Top 10 em Fronteira

José Adriano no pódio da classe C2 e Ricardo Carvalho com melhor tempo em corrida 

A equipa Motos VR esteve no passado fim-de-semana na vila alentejana de Fronteira a disputar a mais importante prova de resistência para SSV que tem lugar em Portugal. Em ano de estreia na 4H TT Vila de Fronteira, José Adriano conquistou o excelente terceiro lugar na Classe C2 destinada aos SSV sem motorização Turbo, conseguindo ainda a décima posição da classificação geral desta competição que reuniu alguns campeões nacionais da modalidade, entre quase meia centena de participantes.

 Menos feliz foi Ricardo Carvalho, o vencedor das duas últimas edições da prova. Apesar de ter sido o piloto mais rápido em prova, obtendo as quatro melhores voltas da corrida, não conseguiu traduzir essa rapidez em resultado. Depois de uma sessão de treinos cronometrados bastante positiva “os dados estavam lançados” para uma excelente corrida, mas uma pedra projetada pelo SSV que seguia à sua frente já durante a competição, cortou literalmente o tubo de travão da frente do Yamaha Turbo, obrigando-o a regressar às boxes para resolver o problema e poder retomar a corrida. Para tentar melhorar posições, Ricardo Carvalho, imprimiu um ritmo forte, mas já perto do final teve uma saída de pista que o obrigou a abandonar a competição.

 Igual desfecho teve Arnaldo Monteiro que em ano de estreia na prova alentejana que teve a Vila de Fronteira como cenário, acabou por ser forçado a abandonar. Perto da reta da meta sofreu um toque na traseira do seu Yamaha e acabou por capotar. Depois de seguir para as boxes ainda retomou a competição, mas o carro não estava em condições de continuar a disputar a corrida.

 Para o líder da equipa Vitor Cândido “Aguardávamos com grande expectativa esta prova, que marca o final da época de competição. Não foi um ano fácil para a equipa, as expetativas nem sempre foram cumpridas e apesar dos contratempos que o Ricardo viveu mantivemos-mos na luta até ao final. Conseguimos trazer o título de vice-campeões T2 do CNTT pela mão de Arnaldo Monteiro que em ano de estreia teve um excelente desempenho, mas nem tudo correu como prevíamos. 2019 ainda é uma incógnita para nós. Vamos ver o que nos reserva e que surpresas poderá trazer”.

Benimoto no pódio das 4HTT Vila de Fronteira

Com o 3º lugar alcançado Marco Silva, o Benimoto Racing Team subiu ao pódio nas 4H TT Vila de Fronteira, a mais importante prova de resistência disputada em Portugal. A equipa inscreveu para esta prova quatro Can-Am Maverick X3 e todos estiveram à chegada.

 O início da prova alentejana não correu da melhor forma para Marco Silva, que viu o seu CanAm sofrer um toque na traseira durante a fase de arranque que o fez perder um tempo significativo. Após este percalço o piloto passou ao ataque, imprimiu um ritmo forte que lhe permitiu recuperar posições, até se fixar no pódio desta prova que teve a Vila de Fronteira como cenário.

 Nuno Pires, mais um ex-piloto auto se prepara para abraçar uma nova fase da sua carreira agora nos SSV, partilhou o Can-Am nº 217 com Tiago Rodrigues. Estavam a fazer uma corrida limpa, rolavam em 10º lugar quando se partiu uma correia do variador a cerca de volta e meia do final, tendo terminado a corrida no 25º posto.

 Rui Farinha que fez equipa com Jorge Silva (com a particularidade de ambos também terem disputado a seguir a corrida de 24 Horas) e José Correia de Sousa disputaram a prova alentejana com o claro objetivo de disfrutar do ambiente de competição, mas acabaram por ser a segunda melhor equipa do Benimoto Racing Team, tendo concluído a prova na 19ª posição.

 Menos feliz foi a dupla Avelino Luís/Nuno Fontes, cujo Can-Am esteve parado durante largos minutos nos treinos cronometrados, o que os impediu de fazer um melhor tempo para grelha de partida, mais de acordo com a reconhecida rapidez de ambos os pilotos. Já durante a prova, uma correia do variador partida e duas saídas de pista condicionaram o resultado da equipa que terminou na 28ª posição.