• Baja TT do Pinhal


    16 e 17 de Março de 2018

quarta-feira, 18 de abril de 2018

António Maio no Top 5 do Dakar Challenge

Piloto Yamaha em etapa Maratona 

A jornada de hoje do Merzouga Rally, juntamente com a de manhã, faz parte de uma longa etapa maratona em que os pilotos pernoitam num acampamento totalmente isolado, sem a companhia das suas equipas de assistência. Um bivoauc onde o campeão nacional António Maio terá a seu cargo a revisão da sua Yamaha para enfrentar os 233 quilómetros cronometrados da segunda parte desta etapa maratona.

 Hoje o piloto da equipa Yamaha Fino Motor Racing cumpriu o dia realizando o 5º melhor tempo entre mais de meia centena de concorrentes ao Dakar Challenge, competição destinada aos pilotos que nunca participaram no Dakar.

 No final da etapa António Maio salientou que “nesta etapa era importante não só navegar bem e conseguir ultrapassar todas as dificuldades, mas gerir bem o esforço da moto e os pneus, na medida em que não posso contar com o excelente trabalho que tenho tido do meu mecânico. Não só do trabalho, mas também das ferramentas e de material de substituição, porque apenas posso utilizar e material que trouxe comigo. Vou fazer uma revisão, mas não poderei fazer muito mais do que isso”.

 No setor seletivo com 233 quilómetros cronometrados que amanhã se disputa os competidores irão encontrar uma primeira parte de dunas que os levará em pistas mais rápidas até o planalto de Errachidia, onde um labirinto de pistas tornará a navegação mais difícil.

Elisabete Jacinto regressa ao top ten dos camiões

A piloto Elisabete Jacinto alcançou hoje, no final da quarta etapa do Morocco Desert Challenge, o sétimo posto entre os camiões num dia em que os concorrentes voltaram a atravessar as dunas do Erg Chegaga. A especial permitiu à equipa Bio-Ritmo® conquistar 15 lugares, em relação à etapa da véspera, e voltar a subir na classificação geral dos T4. Com este resultado os portugueses regressam às posições cimeiras dos camiões ocupando agora o nono posto da geral da sua classe.

 A jornada de hoje, que contou com 310 quilómetros cumpridos ao cronómetro entre o Erg Lihoudi e Fezzou, apesar de complexa decorreu de forma positiva para a equipa Bio-Ritmo® que, depois dos contratempos registados na etapa de ontem, conseguiu recuperar fazendo um percurso sem problemas e tendo concluído o sector selectivo em 5h48me33s a apenas 20 minutos do terceiro classificado dos T4.

 Para Elisabete Jacinto esta especial permitiu à equipa retomar o andamento consistente: “hoje correu tudo bem. Passamos bem as dunas sem problemas nenhuns. Apenas ficamos presos na crista de uma duna, mas conseguimos rapidamente resolver a situação. Tivemos que fazer as dunas com bastante calma, porque devido às configurações do nosso camião não consigo ser rápida na areia. Mas fizemos tudo com tranquilidade e correu bastante bem. Depois da areia pudemos imprimir um bom ritmo e conseguimos subir lugares na classificação dos camiões o que nos deixa satisfeitos”, revelou a piloto portuguesa.

 Amanhã cumpre-se a quinta etapa do Morocco Desert Challenge que vai ligar Fezzou a Merzouga contando com uma distância de 275 quilómetros cronometrados. Será uma especial com um pouco de tudo: entre Fezzou e Marabout os concorrentes vão encontrar planícies de areia, depois o precipício de MHarech, onde predominam os caminhos rochosos, as dunas de Ouzina, que contará com muitos trilhos arenosos e, por fim, uma primeira travessia do Erg Chebbi.

Barreda sets the pace in Merzouga with a stage win and extends overall lead

Joan Barreda consolidated his leadership of the Merzouga Rally with a triumph in the third stage, the first leg of the two-day marathon stage. Kevin Benavides, yesterday’s winner, was third on the day, keeping Monster Energy Honda Team in the top two leader board positions.

 The Merzouga Rally arrives at its halfway point dominated so far by the riders of the Monster Energy Honda Team. Today’s third stage in the Moroccan desert was a tough, navigationally challenging affair which saw the Honda CRF450 RALLYs once again clock up the day’s fastest times.

 Kevin Benavides, after yesterday’s victory, was forced to open the track and set a cracking pace trying to keep the adversaries at bay. The Argentine rider scored the stage’s third quickest time in the motorcycle category. Team-mate Joan Barreda meanwhile made up time after starting out in sixth place and thus extends his lead in the overall standings. The Spaniard now sports an advantage of almost thirteen minutes over his Argentinean companion in second overall spot.

American Ricky Brabec had recovered somewhat after yesterday’s physical ailments to finish sixth on the day. Chilean rider Jose Ignacio Cornejo, who has ridden very consistently throughout the rally, posted a similar time. Paulo Gonçalves continues to improve in pace and also finished in the top ten.

The riders will be away from the Tombouctou Hotel tonight and will sleep out in a special camp out in the desert. The rules of the marathon stage mean that the bikes must remain isolated in the parc ferme and can only receive mechanical assistance from the riders themselves.

Tomorrow, Thursday, Joan Barreda will open the 233-kilometre special on a hard navigation-filled stage. Before the timed stage gets underway there will be a 36-kilometre liaison section with the day concluding back at the Tombouctou Hotel camp after another 103-kilometre link section.

Mário Patrão vence etapa e reforça liderança no Morocco Desert Challenge

Mário Patrão reforçou hoje a sua liderança no Morocco Desert Challenge após vencer a quarta etapa desta grande maratona africana. O piloto inscrito pelo CRÉDITO AGRICOLA KTM BAHCO gastou 5h08m59s a percorrer um setor seletivos de 310 quilómetros com um traçado incrivelmente variado que começou por uma grande seção das dunas de Chegaga, passou pelo fesh-fesh do oued arenoso de Mhamid, levou os concorrentes a subir a encosta de um vulcão e terminou com 100 km de planícies de areia rápidas e largas no hamada.

  “Estou muito satisfeito com a nossa prestação. A nossa KTM tem estado fantástica e da minha parte tenho conseguido navegar a abrir pista sem cometer erros. Abrir a pista numa etapa tão variada como a de hoje foi fantástico e permite-me evoluir duma forma que ainda não tinha experimentado até aqui. A nossa participação nesta prova está a mostrar-se uma escolha muito acertada e o ambiente tem sido muito bom e acolhedor. O facto de também nos 4x4 a corrida ser também liderada por uma equipa portuguesa ajuda a que a representação lusa seja ainda mais notada”, salienta Mário Patrão que participa nesta grande maratona africana com o objetivo de preparar a sua participação na edição de 2019 do Dakar.

 Amanhã cumpre-se a quinta etapa do Morocco Desert Challenge que vai ligar Fezzou a Merzouga contando com uma especial cronometrada de 275 quilómetros cronometrados. Será uma especial com um pouco de tudo: entre Fezzou e Marabout os concorrentes vão encontrar planícies de areia, depois o precipício de MHarech, onde predominam os caminhos rochosos, as dunas de Ouzina, que contará com muitos trilhos arenosos e, por fim, uma primeira travessia do Erg Chebbi.

QATAR’S AL-ATTIYAH PIPS SOUTH AFRICAN TOYOTA COLLEAGUE DE VILLIERS TO FASTEST TIME IN LOSAIL SUPER SPECIAL STAGE


· Qatari star edges into 5.76-second lead; third for Poland’s Przygonski 

 · Qatar’s Adel Abdulla leads in T2; early T3 advantage for Spaniard Navarro 

 · Poland’s Maciej Giemza safely through bike test; Koolen leads the quads

Qatar’s Nasser Saleh Al-Attiyah and French co-driver Matthieu Baumel got the better of a strong field through a varied and challenging opening 4.84km super special stage of the Manateq Qatar Cross-Country Rally at the Losail International Circuit late on Wednesday afternoon.

The performance earned the defending FIA World Cup champion a slender lead of 5.76 seconds to take into the first of four demanding desert selective sections on Thursday morning. Cars tackled the stage in reverse order and Al-Attiyah saved the best until last with a time of 4min 13.35sec.

South African de Villiers settled in well in the second of the Toyota GAZOO Racing South Africa Hiluxes and sealed second position, while Poland’s Jakub Przygonski rounded off the top three.

Fellow countryman Aron Domzala was fourth and FIA World Cup leader Martin Prokop finished the stage in fifth place. Dutchman Erik van Loon took a maximum stage penalty of one hour after crashing in the stage. The Overdrive Racing mechanics will need to work to repair the Toyota before the restart on Thursday.

Qatar’s Adel Abdulla delighted his home crowds by romping into a 42-second T2 category lead over main Saudi Arabian rival Ahmed Shegawi. The QMMF and Ooredoo-backed Nissan Patrol driver posted a time of 5min 18.81sec to snatch the early advantage in the section for series production cross-country vehicles. Russia’s Yuliya Migunova-Khegay was third and Romania’s Laurentiu Claudiu Barbu finished in a distant fourth.

Spaniard Santiago Navarro moved into an impressive 18.33-second T3 category lead over Frenchman Claude Fournier. Series rival José Luis Pena Campo of Spain was a mere 1.43 seconds behind and Italy’s Michele Cinotto completed the stage in fourth.

Spaniard Fernando Alvarez survived a slight indiscretion after running wide to finish the stage in eighth overall with his South Racing Volkswagen Amarok.

Nineteen cars were officially permitted to start the Manateq Qatar Cross-Country Rally and 14 lined up in the Manateq Qatar National Baja, in addition to the four that were eligible from the main event. The two non-starters in the QCCR were Khaled Al-Suwaidi and Ravil Maginov.

Polish Orlen Team rider Maciej Giemza prepared to tackle the Qatar deserts as a lone FIM-sanctioned motorcycle entrant with an opening time of 4min 36.65sec in the super special stage. Dutchman Kees Koolen pipped quad rival Russian rival Alexsandr Maxsimov by 3.46 seconds to lead the category heading into the desert.

The National Baja competitors will only tackle shortened versions of the first and fourth desert stages on Thursday and Sunday. Kuwait’s Abdulaziz Al-Bsheyer drew first blood with the fastest time of 4min 41.40sec in his Can-Am Maverick X3. Al-Attiyah’s cousin Mohammed Al-Attiyah held second and Qatar’s Ahmed Allouh rounded off an all Can-Am top three.

Tomorrow (Thursday), competitors tackle the first of the desert selective sections – a menacing 358.15km examination of navigational skills, patience and endurance.

The stage starts 48.48km south-west of Losail and winds its way through the remote western wastelands of the State of Qatar before crossing the bottom of the dountry to finish 93.75km away from rally headquarters - close to the former bivouac at Sealine - south of the industrial and petroleum hub of Mesaieed on the south-east coast.

2018 Qatar Cross-Country Rally – positions after SS1 (unofficial):

Cars
1. Nasser Saleh Al-Attiyah (QAT)/Matthieu Baumel (FRA) Toyota Hilux Overdrive 4min 13.35sec
2. Giniel de Villiers (ZAF)/Robert Howie (ZAF) Toyota Hilux 4min 19.11sec
3. Jakub Przygonski (POL)/Tom Colsoul (BEL) MINI John Cooper Works Rally 4min 19.83sec
4. Aron Domzala (POL)/Maciej Marton (POL) Toyota Hilux Overdrive 4min 23.71sec
5. Martin Prokop (CZE)/David Pabiška (CZE) Ford F-150 Evo 4min 24.52sec

terça-feira, 17 de abril de 2018

Sistema bedlock prejudica andamento de Elisabete Jacinto

A piloto Elisabete Jacinto concluiu hoje a terceira etapa do Morocco Desert Challenge, uma difícil jornada cumprida nas dunas do Erg Chegaga que se mostraram demolidoras para a equipa Bio-Ritmo®. Nesta especial, composta por 335 quilómetros cronometrados que se iniciou em Touzounine e terminou no Erg Lihoudi, os portugueses rolaram quase sempre entre os cinco primeiros camiões. No entanto, no cruzamento de uma grande secção de areia um dos pneus do MAN TGS de competição saiu da jante o que os fez perder imenso tempo a tentar resolver a situação e terminaram a etapa no 22 lugar da classificação destinada aos camiões.

 A formação composta por Elisabete Jacinto, José Marques e Marco Cochinho conseguiu completar a etapa após terem permanecido no deserto várias horas: “o dia hoje foi muito difícil. Tentámos andar depressa mas tivemos problemas com os amortecedores e apanhámos muita pancada. No entanto, o nosso grande problema foram as dunas. Um dos nossos bedlocks, o sistema que usamos que permite andar com pressões mais baixas nos pneus para que estes não saiam da jante, falhou e a determinada altura, quando estávamos encostados a uma barreira de areia, o pneu saiu da jante e ficámos presos. Demorámos imenso tempo a resolver a situação e a sair dali. As dunas são sempre muito traiçoeiras e sem o material certo é difícil fazer melhor. Depois disso tivemos apenas umas pequenas dificuldades num sitio em que é sempre muito complicado navegar mas conseguimos andar bem e com um bom ritmo. Contudo, perdemos demasiado tempo nas dunas o que nos deixa frustrados porque estávamos a fazer uma boa etapa”, adiantou a piloto portuguesa que assume agora o 16º posto da classificação geral da sua classe.

 A quarta etapa do Morocco Desert Challenge será bastante variada. No menu do dia estão 310 quilómetros cumpridos ao cronómetro entre as “Dunas dos Judeus” e Fezzou num dia em que os concorrentes terão, uma vez mais, que enfrentar as dunas do Erg Chegaga. O arenoso oued de Mhamid, a subida de um íngreme trilho de um vulcão e pistas rápidas e largas também farão parte desta quarta especial.

António Maio com dia positivo no Merzouga Rally

Piloto Yamaha foi 3º do Dakar Challenge na etapa

No terceiro dia de competição no Merzouga Rally, o campeão nacional António Maio voltou a enfrentar uma etapa com uma navegação muito exigente e complicada. O piloto da equipa Yamaha Fino Motor Racing ultrapassou todos os problemas da véspera e teve uma prestação positiva.

 Nesta segunda etapa do Merzouga Rally o piloto Marcolino Sebo gastou 3h23m38s a percorrer os 170,30 km que compunham o setor seletivo de novo repartido por duas Boucles. Foi 3º do Dakar Challenge numa etapa ganha à geral pelo argentino Kevin Benevides.

 No final da etapa António Maio salientou que “o Merzouga Rally apresenta-se este ano com um grau de dificuldade muito elevado. Hoje com tudo o que é necessário para a navegação tive a possibilidade de fazer o meu trabalho com maior ou menor dificuldade, mas considero que foi um dia positivo. Apenas tive mais dificuldade em encontrar um Way Point. Perdi alguns minutos, mas consegui e isso faz parte da corrida. Depois do que sofri ontem bem precisava de regressar à normalidade. Vou continuar focado em evoluir neste tipo de prova e tirar partido de todas estas dificuldades que diariamente nos são colocadas”. 

Amanhã inicia-se uma etapa maratona, distribuída por dois dias. O rali segue para o sul para terminar num local de acampamento de maratona totalmente isolado e que nunca foi explorado por esta prova. Para alcançá-lo, os concorrentes terão de passar por um verdadeiro labirinto de pistas.

Mário Patrão reforça liderança no Morocco Desert Challenge

Mário Patrão reforçou hoje a sua liderança no Morocco Desert Challenge depois de ter disputado um setor seletivo de 335 quilómetros cronometrados que começou com a lendária pista do Dakar que atravessa a maior zona militar do sul de Marrocos com paisagens desoladas, mas lindas. Depois de percorrer o Lago Iriki, a etapa cruza as dunas do Chegaga.

 O piloto inscrito pelo CRÉDITO AGRICOLA KTM BAHCO foi o segundo mais rápido desta segunda etapa e passou a ter uma vantagem 14m28s para o segundo classificado que é o holandês Maikel Smits.

 Para Mário Patrão que participa nesta grande maratona africana com o objetivo de preparar a sua participação na edição de 2019 do Dakar “as coisas estão a correr como o planeado em Portugal. Hoje, tal como na etapa de ontem fiz um bom teste à navegação. Tenho sido sempre eu a abrir a pista e não tenho cometido erros o que me deixa bastante feliz! Tenho-me sentido bem fisicamente e a minha KTM tem-se portado muito bem sem dar qualquer problema” 

A terceira etapa do Morocco Desert Challenge com um setor seletivos de 310 quilómetros será incrivelmente variada: uma grande seção das dunas de Chegaga, o fesh-fesh do oued arenoso de Mhamid, a subida de uma encosta de um vulcão e 100 km de planícies de areia rápidas e largas no hamada até o final.